Mélenchon: “Abandonem os tratados, idiotas!”

(Jean Luc Mélenchon, in Expresso Diário, 10/03/2019)


Jean-Luc Mélenchon, líder do partido A França Insubmissa, fundado em 2016

Num exclusivo para Portugal, o Expresso publica um artigo de opinião do político francês Jean-Luc Mélenchon, em que este faz a apologia do renascimento da Europa. Numa resposta ao artigo de Emmanuel Macron publicado em diversos ‘media’ europeus no início da semana, o líder do partido A França Insubmissa apela à renúncia “à falsa dupla franco-alemã” e declara guerra aos tratados europeus, “que condensam todas as políticas económicas no dogma absurdo do liberalismo ortodoxo”

O Presidente francês dirige-se aos europeus? A verdade é que existe outro discurso francês. No Velho Continente, o interesse geral dos seres humanos merece melhor do que ser diluído na estratégia da conversa de circunstância de Emmanuel Macron. Na Europa, chegou a altura de falarmos a única língua verdadeiramente internacional, capaz de motivar a ação comum de povos que têm uma História, línguas e culturas tão diferentes: a linguagem dos bens comuns a defender e a alargar. Dos projetos de vida comuns. Dos direitos sociais e dos serviços públicos a reconstruir, depois do saque resultante de trinta anos de concorrência livre e não falseada. A linguagem da paz, face aos delírios agressivos antirrussos e às provocações guerreiras da NATO.

A questão é urgente. Porque estamos todos a ser ameaçados por um sistema de produção e de comércio que destrói a Terra e os seres humanos. Não terá também chegado o momento de impor medidas de solidariedade capazes de salvar-nos da catástrofe ecológica em curso? O monstro financeiro empanturrou-se, em detrimento de todos os pequenos prazeres da vida. Se é preciso um renascimento na Europa, que seja o da soberania do povo e das Luzes, contra o obscurantismo do dinheiro e de paixões religiosas antagónicas. Se a França pode ser útil a todos, que seja propondo os trabalhos de Hércules que é urgente realizar.

Sim, num prazo de vinte anos, os povos da Europa podem impor a si próprios respeitar a regra verde em todos os aspetos: deixar de tirar da Natureza mais do que esta é capaz de reconstituir. Os nossos povos podem desde já renunciar a utilizar pesticidas, que assassinam a biodiversidade. Podem decidir erradicar a pobreza no Velho Continente, garantir um salário decente para todos, limitar as disparidades de rendimentos, para travar a epidemia infindável das desigualdades. Somos capazes de alargar a todo o continente as disposições legais mais favoráveis sobre direitos das mulheres. Somos capazes de bloquear a ação dos ladrões de impostos, que todos os anos desviam biliões de euros. Em suma: é possível iniciar uma nova era da civilização humana. Aqui, no continente mais rico e mais instruído, podemos fazer isso. Se assumir um protecionismo negociado com o mundo, a Europa transformará as suas normas humanistas numa nova linha de horizonte, comum a milhões de seres humanos.

Para tal, só temos de renunciar à falsa dupla franco-alemã, esse pretensioso domínio conjunto controlado pela CDU. Humilha os restantes 26 países e isola os franceses dos seus pares naturais do sul. Só temos de renunciar ao medo dos russos, que são parceiros. Se a democracia se encontra ameaçada, é sobretudo pela tirania do sector financeiro e pelos métodos grosseiros utilizados para dirigir os povos. Foi isso que levou ao martírio da Grécia e à perseguição dos opositores na Polónia e na Hungria.


Jean-Luc Mélenchon, rodeado de ‘coletes amarelos’, num protesto em Bordéus

Também em França, o problema que se coloca à nossa democracia não vem de Moscovo mas de Paris, porque este Presidente exerce uma repressão feroz contra os ‘coletes amarelos’, desde que os protestos tiveram início, há 17 semanas. Que lição de democracia pode dar Macron, depois de contabilizados 12 mortos, 2000 feridos, 18 pessoas que perderam um olho, cinco mãos amputadas, 8000 detidos, 1500 condenações após apresentação imediata em tribunal? Todas estas vidas ficaram destruídas, por terem reclamado o seu lugar ao sol… Que lição de democracia pode o Presidente francês dar quando a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, o Conselho da Europa e o Parlamento Europeu se mostram publicamente preocupados com a violência policial em França?

E como é insuportável a violência da ilusão que leva a crer que o afogamento no Mediterrânio deixará a fortaleza Europa a salvo dos refugiados económicos e ecológicos! O facto de Viktor Orbán aprovar o discurso de Macron devia causar apreensão. Para compensar esta brutalidade, é precisa uma política imediata contra as causas dos exílios forçados: guerras, alterações climáticas, pilhagem económica.

Todas estas misérias sociais têm uma origem comum: o conteúdo dos tratados europeus, que condensam todas as políticas económicas no dogma absurdo do liberalismo ortodoxo, caro ao Governo de Merkel. A condição prévia para a cooperação na Europa é o abandono dos tratados. Para os povos europeus, é urgente mudar de direção. Emmanuel Macron e Angela Merkel personificam as antigas receitas mórbidas. O renascimento de que a Europa precisa é o dos direitos políticos dos seus povos. Se a França pode ser útil em alguma coisa, é nesta matéria, na condição de se apresentar como parceiro e não como quem quer dar lições.


Advertisements

Os custos do Euro: escrever direito por linhas tortas

(Alexandre Abreu, in Expresso Diário, 07/03/2019)

Alexandre Abreu

Por ocasião dos vinte anos do euro, o think tank alemão CEP (Centro para as Políticas Europeias), curiosamente associado ao ordoliberalismo alemão e próximo da Fundação Friedrich von Hayek, publicou no mês passado um estudo em que procura identificar as economias que mais ganharam e perderam em resultado da adoção da moeda única. O quadro-resumo dos resultados a que chegou, aqui reproduzido em baixo, circulou pelas redes sociais e suscitou algum debate.

FONTE: GASPAROTTI AND KULAS (2019), 20 YEARS OF THE EURO: WINNERS AND LOSERS. AN EMPIRICAL STUDY

Entre os oito países analisados, o estudo conclui que o euro beneficiou bastante a Alemanha, a Holanda e, de forma marginal mas surpreendente, a Grécia, que supostamente terá sido muito beneficiada nos primeiros anos do euro e depois muito prejudicada após a eclosão da crise, uma coisa acabando por compensar a outra. Os restantes países considerados terão perdido significativamente, com destaque para Portugal, França e Itália. Relativamente a Portugal, o estudo conclui que a adoção do euro implicou um impacto negativo total sobre a prosperidade de cerca de 424 mil milhões de euros, correspondentes a cerca de 40 mil euros a menos por pessoa.

É hoje bastante bem conhecida a natureza dos desequilíbrios que caracterizam a zona euro, mas quantificar esses mesmos desequilíbrios envolve dificuldades substanciais. Decidi por isso olhar mais de perto para este estudo a fim de perceber melhor como é que chegaram a estes números. Aquilo que encontrei é francamente dececionante.

O método adotado, conhecido como método de controle sintético, consiste em identificar estatisticamente, para cada país (por exemplo, Portugal), no período anterior à introdução do euro (1980-1996), uma combinação de países exteriores à zona euro cujo desempenho em termos de crescimento económico foi o mais parecido possível com o do país em análise. Comparando em seguida, para o período após a introdução do euro, a evolução real do PIB per capita do país em questão com a do país imaginário composto por essa combinação ‘parecida’ de países, temos um exercício contrafactual que, supostamente, nos permite aferir o que cada país ganhou ou perdeu em resultado da moeda única. Os 424 mil milhões de euros de impacto negativo estimados pelo estudo para o caso português correspondem à soma, ao longo destes vinte anos, da diferença entre o PIB efetivamente registado pela economia portuguesa em cada ano e o PIB teoricamente registado por este país contrafactual imaginário.

Obviamente, o método utilizado é bastante duvidoso e criticável, e percebemo-lo bem se tivermos em conta que o país imaginário que serve de contrafactual no caso português é uma combinação de Barbados (com uma ponderação de 33%), Israel (25%), Nova Zelândia (24%) e Singapura (18%). Entre 1980 e 1996, esta combinação particular de países teve um desempenho muito parecido com o da economia portuguesa; de 1999 em diante, a divergência foi muito significativa em desfavor de Portugal. A objeção elementar é que o facto desta combinação de países, num período de referência relativamente curto, ter calhado evoluir de forma muito parecida com a economia portuguesa não torna estes países, com as suas idiossincrasias e sujeição a fatores particulares, num modelo contrafactual válido para Portugal. O método vale por isso o que vale – o que na minha opinião é muito pouco.

Ainda assim, é tão grande a magnitude dos ganhos e perdas que efetivamente advieram aos países do centro e da periferia da zona euro nos últimos vinte anos que mesmo este método discutível permite identificar bastante bem os vencedores e perdedores da moeda única.

Foram principalmente beneficiados os países para quem a adoção do euro representou a adoção de uma moeda subvalorizada face às características da sua economia, e que em consequência acumularam superávites; e perderam os países para quem o euro implicou uma forte sobreapreciação cambial, que consequentemente acumularam défices externos recorrentes e perdas de prosperidade.

Apesar da metodologia duvidosa, as conclusões acabam por ser relativamente acertadas. Também neste genero de coisas se pode escrever direito por linhas tortas.


O Governo “engenhoca” de Portugal: há substância para além da retórica?

(Joana Ramiro, In A Viagem dos Argonautas, 27/02/2018)

A coligação pluralista de esquerda – ‘engenhoca’ para os seus detratores – em Portugal alterou o discurso político. No entanto, a mudança é menos evidente no terreno…


Continuar a ler aqui