Um monte de caca

(In Blog O Jumento, 11/01/2019)

montenegrox

Enquanto Passos Coelho permaneceu na liderança do PSD este partido foi caindo nas sondagens, o ex-líder, tal como o Montenegro e montes de apoiantes da liderança da extrema-direita chique, andou um ano a aguardar a vinda do diabo. O diabo não veio e de forma cobarde os apoiantes de Passos Coelho preferiram retirar-se.

Fosse qual fosse o resultado eleitoral da liderança de Rui Rio seria sempre desastroso para um PSD cujos militantes se habituaram às mordomias do poder. A seguir às legislativas a extrema-direita chique estaria de regresso para derrubar Rui Rio. Um governo minoritário ou uma nova geringonça seria sempre um governo vulnerável e havia a esperança de regressarem ao poder segundo a fórmula habitual do PSD desde Durão Barroso, em situação de crise política e com a ajuda da esquerda conservadora.

Mas um cenário de maioria absoluta do PS deitaria por terra todas as esperanças, mais cinco anos de estabilidade política, de relações normais e cooperantes entre órgãos institucionais seriam um desastre, até porque em Portugal o crescimento económico e a estabilidade andam de mãos dadas, seriam demais para esta geração. Por este andar Passos Coelho ainda chega a reitor sem ter a oportunidade de voltar ao governo.

É necessário impedir uma maioria absoluta do PS a qualquer custo e é isso que obrigou Montenegro a sair do conforto da sua toca, ele sabe que é um morto vivo da política portuguesa que será devidamente cremado no dia em que o PS tiver uma maioria absoluta. A sua decisão de tentar derrubar Rui Rio nada tem que ver com os interesses do país ou do PSD, é o desespero de quem vê na instabilidade política e na desgraça coletiva a única forma de ter valor.

Compreende-se o desespero, esta gente da extrema-direita fina não passa de um monte de caca e precisam do acesso ao poder para viverem à custa do dinheiro dos contribuintes. Estamos perante um verdadeiro monte de desespero.

Advertisements

Um pensamento sobre “Um monte de caca

  1. Sim ! Um “monte de caca” que se sentou numa ventoinha para, “ele” e a sua trupe de capangas, em desespero de causa, tentarem manter ou reaver os “lugarzinhos” na A. R. que lhes permitam fazer “o cócó coelhista” que NÓS
    contribuintes lhes pagamos…

    A quantidade de desinfectante que o Rio terá de gastar, se sobreviver à “noite dos facas longas” que lhe estão a preparar !

    Enfim…é lá com eles !

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.