Deus deve estar zangado

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 05/01/2019)

brasil4

1 Custa-me muito, como cidadão do país de que Marcelo Rebelo de Sousa é Presidente, olhar para a fotografia em que ele está em “fraternal confraternização” com o novo Presidente brasileiro, o Messias Bolsonaro. Sim, eu sei… já lá vou, adiante e em baixo. Mas não era preciso exagerar, não era preciso que o nosso Presidente viesse com a lengalenga do “tom fraternal” e do “encontro de irmãos”. Bolsonaro não é meu irmão, o Brasil é que é.

E se bem que ele represente legitimamente o Brasil, visto que foi eleito para tal, não é nesse Brasil que eu encontro o país irmão que me habituei a amar. Assim como o Brasil não reconheceria como país irmão um Portugal presidido por um Mário Machado. Este Presidente brasileiro é o homem que se tornou conhecido porque ao votar o impeachment da sua antecessora, Dilma Rousseff (por uma suposta irregularidade na execução orçamental, transformada pela oposição em crime constitucional), o fez em homenagem ao coronel da polícia política que na ditadura militar a havia torturado. Uma coisa é representar um país, outra coisa é merecer representá-lo. Não foi por acaso que, tirando o fascista húngaro Viktor Orbán, Marcelo foi o único chefe de Estado ou de Governo europeu presente em Brasília, na posse do Presidente do 7º país do mundo.

Não passou assim tanto tempo para que os portugueses não reconheçam um fascista quando o ouvem falar e quando observam os sinais e os rituais de que se rodeia. Honra lhe seja feita, Bolsonaro não disfarçou coisa alguma: no seu discurso de posse disse exactamente ao que vinha, as suas ameaças foram claras, o seu instinto de ódio e perseguição, em nome de Deus e da “cultura judaico-cristã”, foi tão óbvio que não há disfarce possível. Antes assim: mais tarde, num futuro que só por sorte não será tenebroso, ninguém poderá dizer que foi ao engano. Não é por ser evangélico, por repetir à exaustão o mantra de “Deus acima de todos”, que o fascismo se torna cristão. Pinochet, Franco, Salazar eram todos devotos católicos e também eles gostavam de invocar o nome de Deus em vão — que, como se sabe, é pecado que brada aos céus. Não é por esgrimir a fé contra as “ideologias” — isto é, contra as ideias, contra a liberdade de pensamento — que o programa político de Bolsonaro deixa de ter a sua própria e sinistra ideologia. E é por isso que o ministro da Educação, indicado directamente pelos evangélicos, tem como tarefa limpar “o lixo ideológico” das escolas e servir às criancinhas a fé evangélica — esse embuste religioso inventado à medida de um país com largas camadas da população semianalfabeta. Se isto não é todo um programa político e ideológico, em tudo semelhante ao das madraças islâmicas, é só porque há quem o não queira ver.

2 Quando, na manhã seguinte à posse do Presidente brasileiro, Marcelo se sentou com ele, já Bolsonaro dera andamento, na própria noite da posse, a um dos mais controversos projectos do seu Governo: começar aos poucos a roubar as terras indígenas na Amazónia para as entregar aos fazendeiros de gado e cereais. É parte da política dos três B, que é a essência do seu programa e a raiz da composição do seu Governo. O B da bíblia já acima falei; o B da bala virá já de seguida com a legalização da posse de armas, um grande negócio para os respectivos fabricantes e vendedores; e o B do boi é o projecto de ocupação da Amazónia, liderado pela ministra da Agricultura, saída da bancada dos “ruralistas”. Neste campo, a primeira medida foi a extinção na práctica da FUNAI, a Fundação Nacional do Índio, um organismo governamental que geria há 50 anos todas as terras que a Constituição brasileira reserva para ocupação exclusiva dos povos indígenas e todos os assuntos relativos a eles, passando a integrar as terras e as competências na alçada do Ministério da Agricultura; ou seja, entregando-os na boca do lobo. A justificação do Presidente é que a FUNAI e as ONG presentes no terreno não faziam mais do que roubar. Pois agora, que é de temer que os índios e o próprio ar que respiramos venham a ser roubados a sério, sinto o dever de testemunhar que foi graças à FUNAI que, 30 anos atrás, pude passar uma semana com uma equipa de filmagem da RTP entre uma tribo dos Caiapós, inclusive disponibilizando-nos uma avioneta, que nos depositou e foi buscar no meio da selva. E o tipo da FUNAI que lá estava a roubá-los era um jovem advogado de boas famílias do Rio de Janeiro, que ali vivia, longe de tudo o que era o seu mundo de origem e em condições terríveis, porque se tinha apaixonado pela causa dos índios da Amazónia. Suponho que doravante seja muito difícil, senão impossível, a qualquer jornalista estrangeiro viver a experiência incrível que eu vivi. E isso, temo também, é apenas parte de muitas outras coisas que se podem perder daqui para a frente e sem as quais o Brasil pode ser um país elogiado por Trump, por Orbán ou por Netanyahu. Mas não será o mesmo Brasil.

3 Pois, foi o povo que escolheu. E o povo é soberano — para o bem e para o mal, para meu gosto ou para meu desgosto. Porque a democracia é o único sistema político em que o cavalo de Tróia pode concorrer nas urnas e, eventualmente, destruí-la por dentro e com as suas armas. Mas, por favor, não me venham dizer que de um lado estão os intelectuais, os artistas e a imprensa e do outro lado está o povo. E, então, onde é que isso é motivo para celebrar? Onde é que isso deu bons resultados?

4 É discutível se Marcelo deveria ou não ter ido a Brasília. Consigo perceber e aceitar relutantemente os argumentos a favor da viagem. Relutantemente, mas enfim. O problema está no enfim: porque Marcelo, sem nunca o fazer ostensivamente, conduz uma agenda de visitas externas e convites internos que, mesmo se em concertação ou tacitamente aceite pelo Governo, é demasiado “à Marcelo”, demasiado frenética e às vezes talvez pouco ponderada. Não descansou enquanto não pendurou no cinto os ten big — do Papa a Trump, da Rainha de Inglaterra ao Presidente de França, muitas vezes dando a sensação de que, mais do que esperar por um convite, se fazia convidado. Mas, não contente com isso, ele vai e logo convida, pondo toda a gente — os portugueses, pelo menos — perante o facto consumado. Por isso, quando o vi avançar para Brasília, temi que mais uma vez ele não se contivesse sem convidar Bolsonaro para nos visitar oficialmente. Dito e feito: não resistiu. E, ao fazê-lo, é bem possível que o seu voluntarismo nos tenha arranjado um sarilho diplomático. De facto, há fundadas razões para prever que Bolsonaro seja mal recebido em Portugal, ao nível da rua e ao nível das instituições. Ao nível da rua porque, como disse, passou ainda pouco tempo para que uma parte substancial dos portugueses aceite tranquilamente ver um fascista desfilar com honras de Estado pelas ruas do país. Ao nível institucional porque basta pensar no que poderá suceder na Assembleia da República: se se achar mais prudente não o levar à Assembleia, será um insulto para ele; se for e sair maltratado, insulto será; se for ele a cancelar, vem a dar no mesmo, é o reconhecimento de que não é bem-vindo. Seja qual for o desfecho, não me parece que, como dizem os brasileiros, Bolsonaro seja homem de levar desaforo para casa. E o que acontecerá então às “fraternas” relações luso-brasileiras? Será que Marcelo pensou nisso ou achou que a sua popularidade tudo consegue ultrapassar?


Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia

Advertisements

19 pensamentos sobre “Deus deve estar zangado

  1. Tudo verdade infelizmente. Era bom que estivessemos todos enganados. De qualquer modo seria coisa muito rara porque até hoje nenhum fascista ofereceu algo de bom ao povo que nele votou …ou não. António Palma

    • Fascista amigo de Judeu???? É brincadeira, não??? Era bem melhor quando era tirado aos brasileiros para dar aos comunistas de vários países alguns de língua Portuguesa e corruptos também. Estou errada? Cuidado com vossos bolsos….cuidado com esses vermelhos que só mamam nas tetas do governo tirando do povo. Falam bem? OH Maravilhosamente e enganam também. Os mais vulneráveis são usados como bandeira própria e não percebem que usam suas fragilidades , seus traumas e as aprofundam. Longe de serem dignificados e se assumirem num orgulho verdadeiro mas acabando com mais feridas do que antes. Cuidem bem do vosso Zé Povinho enquanto estão no poder…senão terão surpresas..

  2. Pingback: Exactissimamente | Aspirina B, eheheh!

    Nota, prévia.

    Estás a ver no que se traduz aa falta de verginha fos/as tipos/as cujo cadastro é do pior, Manuel G.?
    Pois é, isto de emborcar garrafas de vinho (as garrafas dos vícios caros) é do caraças!

    Aplauso de uma só mão para Bolsonaro | Aspirina B
    https://aspirinab.com/valupi/aplauso-de-uma-so-mao-para-bolsonaro/
    29/10/2018

    _______

    Aplauso de uma só mão para Bolsonaro
    29 OUTUBRO 2018 ÀS 2:35 POR VALUPI

    Jair Bolsonaro chega ao poder através do voto democrático. Isto tem de ser saudado.

    Se, em resultado de tomar o poder democraticamente, Jair Bolsonaro vier a ser o responsável directo ou indirecto por qualquer tipo de violência, injustiça e crime, à mesma a sua eleição continua a merecer ser saudada por ter sido democrática, livre, soberana.

    Jair Bolsonaro não tem de ser um democrata nem de se comprometer na defesa da democracia para receber o respeito dos democratas na hora da sua vitória.

    […]

    Nota, in situ.
    Valupi, larga o vinho e deixa de ser parvo (deixa ainda de dizer bacoradas e fecha esta merda, pá)

      • Vai até lá, Manuel G., que a troupe fanática do alcoolismo exibe a sua ignorâcia.

        _____

        … «à medida de um país com largas camadas da população semianalfabeta.», cito.

        Nota. Ó nharro sas 18:20, a citação também é para ti que quem escreveu o post não fui eu. Foi o querido bronco que está atrás do balcão a servir copos de três, o Valupi.

        [Nada de novo no esgoto do Aspirina B, burrice ao quadrado.]

  3. Miguel Sousa Tavares como eu gosto, a dizer o que tem a dizer com as palavras certas.
    Como é óbvio um texto destes não passaria em branco n’”A Estátua de Sal”! Bem haja!

  4. Deus está zangado como! se é omnisciente e omnipotente como afirmam era seu dever ter evitado a eleição de tão retrógrada persona.
    No resto o MST acertou em tudo que falou que ainda vai haver muitas mais barbaridades não anunciadas para voltar a falar.

  5. Excelente, como semprem MEC.
    O Sr Presidente Marcelo baixou consideravelmente na minha já débil consideração 🙁
    VERGONHA !!!
    Ele que descalce a bota porque ninguém quer ver o “coiso” em Portugal.

  6. O Celinho convida um fascista a visitar Portugal,não há dúvida que as selfies lhe deram a volta ao cérebro,chegou com Salazar e o padrinho Marcelo Caetano,não queremos fascistas em Portugal.

  7. Esta empresa não é mais de meu interesse, já que seus artigos são pertinentes ao pluralismo político desde que sempre à esquerda.
    Seus jornalistas têm sido unilaterais.
    Lamentável a visão única.
    Falam em grandes nomes.
    Mas aqueles não se reproduzem só por si.
    Vocês não querem o bem para todos, mas somente se fizerem-lhes bem em seu próprio ego “erudito”. Mesmo porque tudo que se passa aqui não afeta Vs.Sas.!
    É uma pena que se gaste tanto e de tantos para manifestarem opiniões que ora nada controem para o Brasil. Não custa lembrar que em 13 anos o país coleciona dívidas internas enquanto o povo continua muito pobre INTELECTUALMENTE E ECONOMICAMENTE.

  8. A sua ignorância e preconceito em relação ao povo evangélico é vergonhosa, fica-lhe muito mal. Mas, não é de admirar a um ignorante pejado de arrogância que ofende de uma assentada as muitas centenas de milhões de evangélicos espalhados pelo mundo, muitos deles promotores e sustentadores de obras sociais e humanistas que o sr. está longe de idealizar, muito menos de imitar. Que não queira respeitar o presidente brasileiro e os 55 milhões de cidadãos que acreditaram no seu programa, é uma coisa, que aproveite o seu fôlego mal intencionado para atacar a fé de milhões de crentes evangélicos é uma grave ofensa que a mim, só me leva a ter pena de si e da sua mais que conhecida arrogância, e a pedir a Deus que tenha misericórdia de si. Não que a mereça, mas porque dela muito precisa.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.