OUVIDOS E ESQUECIDOS (aviso: isto parece, mas não é sobre futebol)

(Por José Gabriel, in Facebook, 27/05/2017)

Artur_jorge

Passa hoje o 30º aniversário da vitória do F C Porto na Taça dos Campeões Europeus. As televisões e os meus amigos portistas narram de muitos modos esta efeméride. Reportagens, memórias, festejos, palavras de exaltação clubista e portista. Tudo isto se compreende. Mas, mais uma vez – com excepção das vozes dos jogadores do tempo ouvidos – a figura de Artur Jorge parece esfumar-se. Era interessante percebermos porquê. É que há muito penso que, a dar um exemplo de desportista profissional, escolheria, entre muito poucos, Artur Jorge. Então por que razão este país que tão depressa incensa gente da bola como se fossem exemplos de excelência nacional e vértice da magnificência humana, esquece tal figura? É que os atributos do Artur Jorge estão nos antípodas do perfil que a imprensa e a opinião publicada “desportivas” sacralizam. Quer dizer: as qualidades de um dos maiores jogadores e treinadores da história do desporto português são exactamente o que o desqualifica para ser ídolo nacional-futebolista.
Artur pertenceu à última geração do futebol da Académica antes do cilindro da hiper-profissionalização alterar completamente as condições do desporto, sobretudo do futebol, e transferiu-se para o Benfica perante uma proposta irrecusável. Todavia, apesar do cepticismo dos seus amigos, ia decidido a completar a sua licenciatura em Filologia Germânica. Sei disto porque, involuntariamente, assisti à conversa – não ia deixar ia bife a meio, não é? – entre Artur Jorge e Toni sobre o tema, ao balcão do Tropical; com as dúvidas, as importâncias em causa, as condições oferecidas. Sobre tudo isto guardarei silêncio, como é óbvio, mas compreendo o que o levou a decidir como decidiu.
Artur Jorge fez uma carreira brilhante no Benfica e na Selecção Nacional. Campeão nacional por diversas vezes, elemento destacado do que era, na altura – eu sou insuspeito – uma das melhores equipas do mundo, tudo parecia um caminho para a glória. O que se passou então? Aconteceu que:
– Artur Jorge concluiu mesmo a licenciatura em Germânicas.
– Encerrada a carreira de jogador, foi fazer um curso superior de desporto e especialização em futebol. Num país de Leste – socialista! -, valham-nos os céus!
– Iniciou a sua carreira acumulando bons resultados e sucessos, o que o levou aos grandes. Acumulou títulos no FCPorto. campeonatos nacionais, taças, super-taças e o mais que viesse. Finalmente, foi campeão europeu e mundial com o seu clube; o primeiro português – ouviram mourinhólatras?
– Entretanto, contrariando as expectativas e hábitos do nacional-futebolismo, gastava o seu dinheiro em colecções de arte e – heresia! – publicava poesia.
– Durante a sua vida, desde os anos 60 em Coimbra, nunca se furtou a ter uma posição de cidadania activa e democrática, o que, geralmente, era olhado com desconfiança no mundo da bola.
– Pecado final: sendo perguntado sobre os comentários aos jogos então transmitidos pela televisão, declarou que, para não ouvir disparates, desligava o som e punha música clássica ou jazz. Estava, assim, feita a heresia final e alimentado o ódio da comunicação social.
– A sua carreira de treinador desenvolveu-se em vários países, adicionado ao seu palmarés campeonatos, taças, super-taças em França, na Rússia, na Arábia Saudita.
– O seu êxito trouxe-o ao Benfica, que, com problemas financeiros e uma equipa envelhecida, queria resultados de milhões com investimentos de tostões. Aqui, teve a infelicidade de sofrer uma cirurgia a um tumor cerebral que o afastou do trabalho algum tempo. O Benfica ficou em terceiro, mas já tinha ali um bode expiatório, cujo nome arrastou pela imprensa como culpado de todos os males. Porque lembro isto? Porque ainda ontem ouvi esta referência e ela é recorrente em alguns dos meus amigos benfiquistas nesta rede. Nostálgicos de glória, parecem não perdoar nada.
– Artur Jorge foi, assim, a primeira grande figura nacional com voz de comando no desporto internacional. Só encontramos semelhante em Moniz Pereira, no atletismo.

Artur Jorge: um homem culto, um cidadão democrata empenhado, um esteta, um artista, um enorme profissional, um desportista exemplar como poucos, é apagado da memória comum e, até, hostilizado. Porquê? Exactamente por estas razões.
Repito: este texto fala de futebol mas não é sobre futebol.

Advertisements

14 pensamentos sobre “OUVIDOS E ESQUECIDOS (aviso: isto parece, mas não é sobre futebol)

  1. Eu, que não vejo um boi de futebol, que não leio uma letra de futebol, gostei muito deste texto. De uma profundidade tocante.

  2. artur jorge destruiu uma equipa do Benfica que tinha acabado de ser campeã nacional com o mesmo orçamento de tostões ,veio para o Benfica com a camisola do porto vestida ,pagará por isso toda a eternidade.

    • Claro…foi ele ( não o Damásio…) que vendeu, antes de ele chegar, e contra a sua vontade, o Rui Costa e o Schwartz…Nada mais deprimente que o ódio, a ignorância e a estupidez em três tristes linhas, sr Castanheira.

    • Pela fotografia este Sr. Castanheira andava de calções à época.Amemória só existe quando dá geito.E para acabar vamos logo buscar a camisola dos outros clubes,cambada de anormais.

  3. Grande senhor do futebol Portugûes dos anos 60/70.
    se agora nem do Eusébio se fala o que esperavam quanto ao Dr. Artur Jorge.Triste comunicação social a portuguesinha !!!!!
    JPCOSTA

  4. Senhor Castanaheira. Como benfiquista deixe-me dizer-lhe apenas aquilo que me ocorre aos eu comentário.Você é uma besta. Reitero : Você é uma besta de merda. Se algum dia encontrar no estádio não se sente ao meu lado, isto considerando que o deixam entrar, Mas estou em crer que você é daqueles que só vomita asneirada e nem aos jogos assiste ao vivo. Um abraço Artur Jorge e que a vida o cuide e nos traga mais como você ao futebol que bem precisa.

    • Concordo consigo e enalteço a sua posição, mas duvido que o Sr. Castanheira volte aqui para ler as respostas; o comportamento típico dos Internet Trolls é aparecer, largar a farpa, e fugir a 7 pés. Um pouco como os covardes desta vida.

  5. Adorei o texto, mas principalmente por falar do grande Artur Jorge, mas infelizmente em Portugal as pessoas que falam verdade são excluídas da sociedade, são bons e fantasticos enquanto servem os seus interesses

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.